0

o corpo

Amar e respeitar o próprio corpo…
Isto é uma coisa que demoramos anos, às vezes uma vida inteira pra aprender, para entender, e para se libertar.
Claro que há todo um cuidado com a saúde, e gordos ou magros, acho que ninguém quer ficar visitando hospital ou vivendo de remédios.
Mas acho que, na cultura em que estamos inseridos, de seguir certos padrões impostos, deixamos de refletir sobre nós mesmas.
Talvez a frase “meu corpo, minhas regras” nunca tivesse sido tão necessária. E em mais de um sentido.
Seja porque a vítima se acha ou é taxada de culpada pelo estupro.
“eu bebi..”
“também, olha o tipo de roupa que estava usando..”
“não se deu ao respeito..”
Seja porque não se encaixa num padrão de beleza.
“gorda..”
“cabelo ruim…”
“pele escura..”
Seja como for, tentar aceitar a si mesma dentro de uma sociedade, por mais que você nasça “nos padrões”, é complicado. É difícil manter um status quo pelo que você aparenta, não pelo que você é, pelo que você conquistou.
Se é por experiências, cansei de ouvir gente falando para que eu não comesse algo, porque engordaria e ficaria feia, perderia minhas roupas, meu namorado. Como se colocar que as pessoas que estão ao meu redor só estão perto de mim pela minha aparência já não fosse uma forma de terrorismo.
E, creio que, para o desespero destas pessoas que convivem comigo, meus padrões de beleza são.. mulheres gordinhas!

Acho a Adele linda de morrer,  Renée Zellweger fica melhor como Bridget Jones e a Fabiana Karla é puro luxo! #prontofalei

Para mim elas são lindas, sorridentes, saudáveis, livres!
Não ligo tanto se minhas pernas são grossas demais, ou os meus braços são gordinhos pro que “preferem” por aí.
Não ligo tanto, quero dizer, porque aprender a gostar do seu corpo é um processo. Se aceitar e se amar completamente, tudo o que você é, por dentro e por fora, quando passou tantos anos se odiando, é gradual. Não dar ouvido ao que os outros falam, saber filtrar o que de fato importa é gradual.
 
Mas é isto. Faz tempo que não escrevia de verdade aqui e, acho que é bom voltar com classe. 😉
(aproveitando e mandando o mesmo texto do meu outro blog xD)
Anúncios
0

Espelho renovado

Estava há algum tempo querendo modificar o espelho do meu quarto, só não tinha ideias.

Aí que um belo momento eu olho para o contact que eu tinha em casa e tcharam! um espelho novinho!

Foi bem fácil! só cortar em tiras e colar, também não tem problemas se o adesivo colar no espelho, você resolve isto com a ponta da tesoura, aí a borda fica bem coladinha! =)

0

Mudança de corpo

Lá pelos 20 e tantos anos, com o advento dos hormônios e cia você começa a perceber que seu corpo já não é mais o mesmo.

Surgem as ancas, as primeiras celulites, e todo um crescimento geral de partes do corpo. É como passar pela adolescência novamente, só que com menos espinhas.

Bom, hoje resolvi separar roupas para doar, porque sei que não vou emagrecer aos meus belos 47 quilos (já estou pesando 53), e existem roupas que ficariam perfeitas em você aos 17, mas quando você tem 23 e faz estágio não rola mais. Tipo aquela camiseta de dragão prateado da OperaRock, com um corte lindo na lateral, que realçava sua cintura e que hoje você percebe que realça sua barriga.

Ganhei algumas roupinhas novas, disse adeus à minha calça da Siberian (que não aceita mais o tamanho do meu quadril) e abracei forte minha Taco, companheira de guerra e que ainda uso.

Não estou dizendo que  engordei horrores. Também não quero ser padrão de beleza, nem complexada por ser magra ou gorda demais, gosto do meu corpo do jeito que é (no máximo preciso fazer uma academia pra garantir uma boa forma), mas tenho que aceitar que o meu corpo muda, e que tenho que me adaptar a isto.

Por isto, com a colher de brigadeiro em punho, digo: que venha a metamorfose!!

0

Ok, mea culpa

Fato que abandonei este blogue.

Aliás, não apenas este, os meus outros blogues também ficaram ao léu. E nem sei mais se lembro a senha dos benditos. #aifodeu

 

Ok, bom, vou tentar voltar à ativa aqui, assim que a faculdade deixar (raro, mas acontece).

 

Enfim, só pra dizer que não morri, leitoras (oi?) do blog.